16 de maio de 2016

Capodanno à fiorentina!

Firenze só poderia mesmo ser a cidade mais bonita da Itália. Não existe comparação! Tudo bem, vc pode puxar a sardinha pra esta ou pra outra cidade que mais lhe agrada em um ou outro aspecto, mas Firenze combina em pouquíssimo espaço tudo de belo que os olhos humanos estão acostumados a admirar – natureza, arte, arquitetura, etc. Há alguns anos, num curso de pós-graduação de História da Arte na USP, quando indagada sobre uma imagem que representasse a beleza, citei o Nascimento de Vênus de Botticelli que está na Uffizi em Firenze. (Não deixando de me lembrar da Primavera, do mesmo Botticelli, que também é um show!). Depois, com as respostas dos colegas, fiquei até um pouco envergonhada, já que elas não versavam sobre algo tão acadêmico quanto uma obra do Renascimento, mas sobre imagens que esbarravam mais na subjetividade de cada um ou na efemeridade da natureza, como um por do sol ou uma flor desabrochando. Parecia que eu estava mais preocupada em acertar a resposta do que participar daquele brainstorm, mas, anos depois, ainda continuo com aquela ideia fixa de Beleza. Nenhuma imagem me parece mais adequada do que aquela para representar o Belo, e, num raciocínio metonímico, nenhuma cidade me parece mais bela que Firenze. (Assista a Chá com Mussolini com a talentosa Maggie Smith e veja um pouco da cidade). Não à toa, foi em Firenze que, em 1817, Stendhal, ao visitar a Basílica de Santa Croce, teve uma vertigem tão perturbadora ao ver os afrescos de Giotto de seu interior que precisou sair da igreja para se recuperar. Descrita em seu diário, essa sensação psíquica, que acomete o indivíduo quando vê obras belas demais, passou a ser conhecida como Síndrome ou Mal de Stendhal.

O nascimento de Vênus

Realmente, não dá para visitar Firenze sem vez ou outra ficar de boca aberta. Sobre o rio Arno, a Ponte Vecchio, a mais antiga da cidade (1345), que sobreviveu, inclusive, aos bombardeios da Segunda Guerra, hoje é o maior polo de atração de turistas. Os açougueiros, que inicialmente a ocupavam, foram expulsos por causa do mal cheiro provocado pelo lixo jogado no rio e substituídos por ourives em 1593, que ainda mantém joalherias e antiquários no local. Sem falar do corredor vasariano, construído em 1565 pelo artista e arquiteto Giorgio Vasari, para que a família Medici pudesse se deslocar entre as suas residências sem ter que se misturar com a plebe. Ir até ela ou admirá-la de longe (por exemplo, da Piazzale Michelangelo) é de encher os olhos…

Ponte Vecchio

Rivalizando com a ponte, o Duomo é uma presença constante. De qualquer lugar que se olha, lá está ele, o edifício mais alto da cidade. Concluída em 1463, a cúpula de Brunelleschi foi a maior a ser construída sem andaime, com seus tijolos avermelhados colocados entre vigas de mármore, seguindo um padrão espinha de peixe, que Brunelleschi copiou do Pantheon de Roma. Na Piazza dell Duomo, ainda acham-se dezenas de estabelecimentos, bares, restaurantes e lojas, com destaque para a papelaria artesanal Il Papiro, onde vc pode comprar lindíssimos papeis de carta com temática fiorentina. (Falando em compras… outra dica para algo especial é a Officina Profumo – Farmaceutica di Santa Maria Novella, a farmácia mais antiga da Europa (1221), que sobrevive sem investimentos publicitários, apenas aparecendo, vez ou outra, em filmes célebres, como O Silêncio dos Inocentes, por exemplo).

Duomo

Outro ponto de grande destaque na cidade é a Piazza della Signoria, onde está o Palazzo Vecchio, com a colossal estátua de David (5,2m). O fato de ser uma cópia feita para substituir a original que está na Galleria dell´Accademia não tem a menor importância, vc realmente se sente num museu a céu aberto, e é assim que vc está. Imagine agora todo esse cenário, ao som de música clássica, à meia-noite do dia 31 de dezembro com fogos colorindo o céu fiorentino. Sim, foi assim meu último Reveillon. Firenze é um dos destinos mais legais da Europa para se passar o Ano Novo. A cidade tem eventos para todos os gostos e bolsos: restaurantes e hotéis oferecem jantares especiais em grande estilo (com preços à altura) e palcos são montados com shows gratuitos por toda a cidade, em diferentes gêneros musicais. Escolha o seu estilo e vá. Todos – todos mesmo – vão para as ruas: crianças, idosos, famílias inteiras, turistas… está todo mundo na rua, apesar do frio – e que frio! À meia-noite, o céu é coberto pela queima de fogos que acontece em vários pontos da cidade. É espetacular ver a chegada do ano com o colorido dos fogos ao lado de David! Beleza pura!