22 de Janeiro de 2018

Colômbia em 10 sabores

Se vc pensa que só por que a Colômbia tá logo ali, tem um pedaço da Amazônia, praias, índios, negros, colonizadores ibéricos, etc, vai  encontrar as mesmas comidas que aqui, está muito enganado! Pra começar, a Colômbia não se limita só a Cartagena. Mesmo sendo obrigatória a conexão em Bogotá, a maioria passa batido pela capital que pode revelar um país bem diferente do nosso imaginário caribenho.

Hormigas limonedas

Pelas ruas do centro de Bogotá, as barraquinhas de comida de rua dāo o primeiro sinal do que vc vai encontrar por lá: 1°) e com grande destaque – Obleas: finíssimas e crocantes lâminas de waffle, recheadas – tradicionalmente – com arequipe (doce de leite). Comi várias. Tem também com coco, creme de leite e caldas variadas, mas prefiro as originais; 2°) chips salgados de plátano – nāo, nāo sāo bananas, tem cara de banana, mas é maior, verde – mesmo quando maduras – e de polpa dura e nāo tāo adocicada. Deliciosas! Figuram nas barraquinhas ao lado de batatas chips, que eu deixei passar, essas como aqui. No Andres DC, um restaurante/bar muito louco, comemos plátano na chapa com queijo, hhhuuuuumm! 3°) arepas: parece uma panqueca grossa de milho que eles fritam na chapa com manteiga. É como se fosse a nossa tapioca que eles também vāo recheando com várias coisas (queijo, presunto, ovo, hambúrguer, etc). Ruim, nāo tem gosto de nada, e nada que vc coloque vai salvar a sua “semgracisse”, prefiro as tapiocas, salvas com coco e leite condensado; 4°) hormigas – é, formigas, e nāo faz essa cara nāo, aqui no Brasil também se come, inclusive no interior de Sāo Paulo. Nāo comemos na rua porque nāo tivemos oportunidade de comprar, quando queríamos, os vendedores não estavam lá, e quando estavam, não queríamos, mas comemos em um restaurante, aliás O Restaurante, Leo Cocina y Cava – ES – PE – TA – CU – LAR! Comemos as formigas limonedas, que se alimentam das folhas do limoeiro, e por isso sāo azedinhas – uma delícia! E uma outra variedade que nāo me recordo o nome, que eram maiores, mas meio amarguinhas, nāo gostei muito, acho que por isso que nem me lembro do nome.

La Puerta Falsa

Aí tem as comidas super típicas, que nāo sāo vendidas na rua, mas tem em tudo que é lugar: 5°) buñelos – eles têm cara de bolinho de chuva, mas maiores e perfeitamente redondos, sāo meio adocicados, mas nāo tem aquele açúcar e canela em volta que faz toda a diferença – e quê diferença – só comi um, vivo bem sem eles; 6°) água de panela – uma água quente, doce, com cor de água suja, que vem acompanhada por um pedaço de queijo pra vc colocar dentro e comer derretido e tomar aquele negócio – credo, que nojo! É horrível! Até meu marido que come de tudo e mais um pouco odiou. Pelo que pude apurar é uma água fervida com um pedaço de rapadura. Arght! Pra quê? Na Cafeteria Juan Váldez – uma espécie de Starbucks, na verdade uma cópia idêntica – tem até um saquinho de água de panela para pôr no café!!! Arght! Deve ser uma rapadura em pó, tipo açúcar mascavo. Quando estávamos por lá, foi noticiado que encontraram um filhotinho de urso de óculos na floresta sem a māe e estavam alimentando-o com água de panela!!! (Ele deve ter fugido alguns dias depois!) Essa coisa com queijo pode ser feita com chocolate quente também. Nāo, nāo tive coragem de estragar meu tradicional chocolate santafereño na também tradicional Pasteleria Florida, onde comi um bolo, tradicional também pra não ficar atrás, mas que esqueci o nome, que era de um tamanho descomunal; 7°) ajico – uma canja (pronto, os adoradores de ajico já estāo me xingando). É um caldo grosso feito de 3 batatas diferentes- bem gostoso, aliás, adoro batatas – com pedaços de peito de frango desfiado – não tão bom, nāo gosto de frango cozido – que vem com algumas coisinhas separadas – creme de leite, arroz, alcaparras, e um pedaço de abacate – pra vc ir comendo junto. Fui olhando do lado pra ver como as pessoas comiam e fazer igual. Fomos no La Puerta Falsa, o restaurante mais antigo de Bogotá. Mas esse abacate com esse frango, nada a ver; 8°) chicharron – uma espécie de torresmo, mas com mais couro e mais borrachudo, bem ruim…que acompanha um monte de pratos, vem separado, vem de entrada… Nós pedimos um prato que tinha arroz, grão de bico – bem gostoso – carne moída, linguiça, plátano frito – uma delícia – o tal do chicharron e uma fatia de abacate. Nada a ver esse abacate aí. Guacamole, eu adoro, mas esse abacate aí, estranho; 9°) café, claro, e muito bom, claro. O convencional é tinto – coado – mas há também expressos e variações americanizadas. Fizemos uma degustação de cafés na Arte y Pasion Café, com cafeína suficiente pra ficar ligada o resto do ano; 10º) rum. Ah! enfim, algo alcoólico. Vc sabia que o rum é feito de cana? Por que a gente tem cachaça e eles rum? Não que o rum seja melhor do que a cachaça, até porque nem conheço muito cachaça, mas tomei um rum…uuhhmmm! Tem uma coisa super louca lá na Colômbia com o comércio de bebidas alcoólicas, que faz com que cada região beba um rum diferente, é por causa das leis, dos impostos, e tem até rum feito na Colômbia por colombianos que só é vendido nos USA, caso do Parce, que tomamos Naquele Restaurante.

Arte y Pasion Cafe

O texto ficou grande demais, os sabores de Cartagena ficam para o próximo…