21 de Maio de 2015

Envelopando Helena

Não sei se por causa da minha dificuldade de dormir e/ou do tempo que perco escolhendo elementos relativos ao sono, como colchão (macio, firme, molas…), travesseiro (Nasa, trigo, macela…), edredom (penas, fibra…), ar condicionado, umidificador de ar, etc, etc, mas algo que tem me intrigado muito ultimamente é a forma como as pessoas dormem, principalmente em camas de hotel. Por acaso alguém dorme envelopado? Pois eu perco um imenso tempo desfazendo a tal arrumadíssima cama de hotel, em que lençol de baixo, lençol de cima e edredom estão colocados embaixo do colchão nos pés da cama! Para dormir ali só dormindo como uma múmia, em uma tumba, sem se mexer!! Quem dorme assim? Eu me mexo na cama, e muito! E, ao soltar o edredom e o lençol de baixo que devem envolver o meu corpo e todos virarem juntos em harmonia durante o sono, vem junto o lençol de baixo que vai sair do colchão durante a noite, deixando meu corpinho em contato com o colchão e todo o seu passado histórico! Argh! E como se não fosse suficiente uma vez por dia, se vc der uma cochiladinha à tarde, a camareira vai descobrir e correr lá para envelopar TUDO DE NOVO!

Sabemos que existe uma forma de envelopar bebês, para que eles se sintam mais seguros no berço e durmam tranquilamente. A coberta causaria a mesma sensação de aconchego do útero materno. Mas atente ao detalhe: bebês bem pequenos, e só até eles aprenderem a se virar (se virar mesmo, de um lado para o outro, de barriga pra baixo…). Os bebês, enquanto ainda têm pouca mobilidade, não se incomodam em sentir algo envolvendo-os e limitando seus movimentos. Ainda assim, existem controvérsias sobre este método. Na época da minha mãe (quando minha mãe virou mãe, ou melhor, minha mãe me teve, enfim…há mais de 40 anos) era usual esta técnica. Depois, com as novas psicologias e cuidados maternais, caiu em desuso; agora, numa onda mais equilibrada (é legal, mas nem sempre, nem tanto, etc), voltou à moda. Mas para bebês!!!

Envelopamento de bebê

Nos cursos relacionados à Hotelaria, é ensinada a técnica de como envelopar adequadamente uma cama. E quanto mais estrelado é o hotel, mais rigorosa é a forma de se arrumar a cama, ou melhor, mais mumificado fica o pobre do coitado do hóspede. E a técnica envolve uma série de passos que devem ser seguidos rigorosamente, desde a quantidade de fios que o lençol deve ter (o que é ótimo!), passando pelo tamanho que ele deve ter em relação à cama, e atingindo o máximo ao se afofarem as cobertas após a conclusão da tarefa para dar a sensação de aconchego (?!) Inúmeras publicações reproduzem na internet essas técnicas para que vc as reproduza na sua casa! Como se já não bastasse eu ter que dormir escondida da camareira do hotel para ela não refazer a cama, vou ter que dormir escondida do meu marido!

Envelopando cama

Não sei bem por que, mas me lembrei do filme “Boxing Helena”. Para quem não lembra deste trash dos anos 90, de Jennifer Lynch (é, a filha do David, de “O Homem Elefante”), um cirurgião fica obcecado pela prostituta Helena, que o despreza. Aí, numa série de episódios insólitos, ele vai “encaixotando” Helena, que… frágil, dependente, cede ao amor do médico. É mais ou menos assim que eu me sinto com a camareira… dependente, fragilizada… Ainda bem que tem o final  redentor …

Tem que assistir pra saber o final! (ou não)