13 de novembro de 2016

Na cama com Stendhal

Na minha última viagem à Itália, despachei meu marido de Milão para o Brasil e parti rumo a Roma para “curtir” uma semana com “Miche” (aquele da Capela Sistina), e, para isso, precisava de um hotel que fosse simples e barato, mas que tivesse uma boa localização, e o que encontrei não podia ter melhor, entre a recém renovada Fontana de Trevi e o Pantheon.

Pantheon

O Albergo Cesari, histórico hotel de 1787, vangloria-se de ter hospedado Stendhal e outras personalidades nos idos de 1800 e ter mantido quase tudo como na época em que o escritor francês esteve por lá, só fazendo as renovações necessárias para sobreviver na modernidade. Instalado numa área permitida apenas para pedestres, vc quase passa batido pela entrada – aconteceu comigo algumas vezes – se não estiver atento. A recepção é minúscula, há 2 elevadores – minúsculos também, claro, o salão do café da manhã é apertadinho como todo o resto, mas o quarto não, é bem amplo! O meu era um de solteiro que contava com uma ante-sala (com sofá, escrivaninha, cadeira, mesinha, frigobar), quarto (com cama, criado-mudo e guarda-roupa) e banheiro. Os móveis eram antigos, de madeira pesada e escura, confirmando o caráter histórico do hotel.

Alberto Cesari

Tudo parecia bastante bom até o momento em que fui dormir… O colchão parecia estar lá desde 1800! E o ranger da cama, então? parecia que tudo iria desmoronar a um suspiro meu. Conclusão: dormi como uma múmia. Deitava e permanecia na mesma posição até amanhecer, quando de um pulo saía da cama. Fora isso, tudo certo. Quando voltei ao Brasil, fui fazer minhas avaliações no Tripadvisor e relatei minha experiência:

“A relação localização/preço realmente é impar. Saindo do hotel, a 2 passos à esquerda, vc está no Pantheon, e, à direita, na Fontana di Trevi. O hotel é desprovido de luxo, mas não precisava exagerar. Fiquei num quarto individual e o colchão parecia ter uns 500 anos, além da cama ranger demais a qualquer movimento, tinha que dormir como uma múmia para não fazer barulho para mim mesma. O hotel parecia atender uma quantidade muito grande de hóspedes em relação às suas instalações, resultado: espera de mesa para o café da manhã, espera pelo elevador – tinha um só para os funcionários! (?) – espera pelo computador (único). E ainda um fato curioso: na primeira noite, às cinco da manhã, o recepcionista ligou para o meu quarto perguntando se estava tudo bem, pois o alarme foi soado. Ei, ele não sabia onde foi soado o alarme? Ele ia ligar para todos os quartos? As noites não foram tranquilas…”

e qual não foi a minha surpresa ao receber a resposta?!

“Dear Tania M,
We received your TripAdvisor review for which we thank you.
We found that you are a true passionate of art and beauty that our city of Rome has offered you in your short stay.
The Albergo Cesàri is one of the oldest hotels in Rome and we are honored the importance that they gave us some figures such as Stendhal, Garibaldi and Mazzini with the well-known German writer Ferdinand Gregorovius.
The Locanda is now called Albergo Cesàri has retained the name of Madame Giacinta Cesàri although it has been modernized and made more comfortable without such luxury offers a pleasant stay also for the terrace overlooking the square and the monument of Hadrian’s temple with its beautiful marble columns. All to admire by making breakfast in the morning.
In fact, the room 30 is one of those where Stendhal stayed for a few days between 13 December 1816 and 26 January 1817, and again in 1824 in the same room that Madame Jacinta Cesàri had prepared.
Mr Emanuele Vopi
Front Desk Manager”

Oh! My God! Eu dormi no mesmo quarto que o Stendhal! Se eu soubesse, talvez a gente tivesse aproveitado melhor a noite…rsrsrs