7 de maio de 2016

Uma homenagem a Mario Monicelli

Cansado de ver aquela foto do pastel empurrando a Torre de Pisa com a mão? Pois vai ver mais uma… É uma atração irresistível, quase todo mundo acaba cedendo. Depois de anos e anos vendo a tal da fotografia, e achando-a ridícula, jurei pra mim mesma (claro, pra quem mais seria?) que jamais pagaria um mico desses, mas… após ver a segunda parte da trilogia Amici miei do hilário Mario Monicelli (o mesmo de Casanova’ 70 com Marcello Mastroiani e Parente é Serpente), em que cinco amigos cinquentões promovem um mutirão com os turistas que estão visitando a Torre, colocando um grupo para empurrá-la com estacas, outro para puxá-la com cordas, e outro, ainda, dentro da Torre para fazer contrapeso. Genial! Quando vc chega lá e vê aquela torre tortinha, lembra da cena do filme… não dá pra resistir! Mas não pense que é fácil não, é um puta trampo, tem uma GALERA querendo fazer a foto (isso porque eu fui em pleno inverno, diz-se que no verão é impossível), e tem um lugar chave pra se ficar e uma posição x para colocar a mão… ufa! A minha ficou bem meia boca, mas é divertidíssimo, me senti no filme de Mario com meus amigos…rsrsrs

Torre de Pisa

E se alguém te disser, com tom de menosprezo, que em Pisa só tem a torre, nem ligue, pois é A TORRE. A cidade foi um importante domínio no Mediterrâneo ocidental durante grande parte da Idade Média, daí decorrem seus importantes edifícios, entre eles o Duomo, o Batistério e o Campanário, ou seja, a Torre pendente di Pisa. A torre sineira é uma torre desenhada para conter os sinos (campanas), e a de Pisa começou a ser construída em 1173. Em 1274, quando estava no terceiro piso (de um total de 8), o edifício começou a se inclinar. Isso ocorreu porque a torre estava numa área com subsolo arenoso e era sustentada por uma base de pedra de apenas 3 m de profundidade. Mesmo assim, ela continuou a ser construída e, após 177 anos, toda em mármore branco, em 1350, sua estrutura, com 55,86 m, foi terminada. Famosa por ter abrigado o cientista Galileo Galilei (1564 – 1642), que nela realizou seus famosos experimentos sobre a velocidade de quedas de objetos, lançando bolas de chumbo lá de cima (ai que medo!), continuou se inclinando, comprometendo sua segurança. A saída para evitar a ruína foi endireitá-la para um ângulo mais seguro, tracionando-a 45 cm (olha Meus Amigos aí de novo!). Após 10 anos de trabalhos, a torre ficou novamente segura, sendo reaberta ao público.

Pisa

Como montei base em Firenze, fui de trem a Pisa. Indo com o regional e descendo na estação Pisa San Rossore são 5 minutos a pé até a Torre. O ingresso pra subir a Torre (tem que subir!!!) com horário marcado, vc compra online com 45 dias de antecedência (programe-se porque é bem concorrido). Fui num dia ensolaradíssimo, tive a maior sorte! Vc tem que guardar suas coisinhas num guarda-volumes, fazer a filinha do seu horário, passar pelo detector de metais (imagina um doidão querendo explodir a torre agora que ela parou de cair!) e subir. É muito louco! Os degraus são bem tortos e vc vai tentando endireitar o corpo e aí olha pra fora pelas janelinhas e vê tudo tortão, meu, parece que vc tá locona!!! Cuidado com a descida que, além de vc já estar meio zureta porque tá tudo torto, os degraus são super lisos e…cair da ou na torre é mico maior do que aquela foto… rsrsrs

Pisa

Depois, como só tem a torre, né? vc pode dar uma esticadinha a Lucca (que fica só a 30 minutos de Pisa). A cidade é uma gracinha, com um desenho que favorece passeios a pé ao longo das muralhas construídas entre os séculos XVI e XVII, que nunca serviram como fortificação e viraram parque público no século XIX. Como o dia estava lindíssimo o passeio foi espetacular! Pra quem é fã de música clássica, tem a casa/museu de Puccini, com figurinos de óperas, objetos pessoais, etc, etc, super legal! De lá vc pega o trem diretão pra Firenze. Dobradinha sob medida.