18 de setembro de 2015

Vesícula láctea (?!)

A vesícula biliar é um órgão pequeniníssimo que armazena a bile produzida pelo fígado para digerir a gordura dos alimentos. Normalmente, nem lembramos que ela existe e ninguém nos dá maiores informações sobre a famigerada, até que ela começa a dar defeito. “Ah, mas tem os sintomas clássicos!” Não, nada disso, não há sintomas clássicos, a menos que vc tenha uma dor pontual na vesícula (que fica na parte lateral direita média do abdome). Ou vc tem uma crise (normalmente provocada por um cálculo biliar que resolve dar um rolê) e tem que ser submetido imediatamento à cirurgia (que consiste na retirada da dita cuja), ou vai tendo problemas na região abdominal e nem sabe por onde começar a investigação. Depois de uma pequena incursão em consultórios e laboratórios, essa era a saída mesmo: retirada da pobre coitada. Mas ela não podia ficar lá quietinha, sem fazer nada, tipo um útero que mesmo sem vc engravidar ou menstruar continua lá? Não, não pode, porque pode rolar uma tal de pancreatite. Tá, não sou necessariamente uma pessoa apegada, então lá fomos nós…

vesícula

Na verdade, tudo começou após uma viagem a Paris, onde me fartei (e sem culpa alguma!) de todos as iguarias daquele paraíso gastronômico: de pães a queijos, passando por vinhos, e culminando em chocolates e macarons. Mas, sem dúvida alguma, a grande estrela (ou melhor, o grande vilão) dessa orgia alimentar, foi o queijo. Como estou numa fase vegetariana, foi um prato cheio (literal e metaforicamente) frequentar as fromageries de Paris. Era impossível não enlouquecer frente àquela gama infinita de opções – de vaca, de cabra, de ovelha, frescos ou maturados. Todos aguçavam meu olfato e convidavam-me ao teste do paladar.

Fromagerie

“Até parece que não temos queijos no Brasil!” (E parece que não temos mesmo) É só darmos uma volta no supermercado ou, se vc quiser algo mais “profissional”, no Mercado Municipal de São Paulo para comprovarmos o fato. É vergonhoso o espaço destinado aos queijos! Uma pequena vitrininha daqueles derivados lácteos envoltos em magipack, tirando-lhes todo o frescor e eliminando qualquer vestígio de seu “perfume” característico. E não adianta pedir conselhos e sugestões porque ninguém entende muito do riscado. Saindo do queijo prato, mussarela, minas e padrão, as opções são pouquíssimas, muitas vezes só importados caríssimos e longe do que deveriam ser (ou foram) ou os queijos “tipo”. Como assim? queijo tipo brie? ou é brie ou não é! (Vc é por acaso tipo um ser humano?) Para tentar algo um pouco mais divertido, só indo a empórios que vendem importados (e nacionais também) para uma busca um pouco mais ativa e atrativa. Lá vc pode encontrar queijos nacionais de pequenos produtores e importados mais autênticos. E o preço? ah, esses ficam nas alturas!

queijos mercado municipal sp

E a vesícula? Bom, fiquei apenas com as cicatrizes da cirurgia. Não fizeram análise das pedrinhas (inúmeras) encontradas, mas tenho certeza de que na composição havia substâncias lácteas em profusão. Mas não há motivo para preocupação, continuo comendo queijo como antes (que venham os deliciosos da serra da canastra, hummm!) pois a vesícula não faz a menor diferença (é que nem aquele papo do dente do siso, precisávamos na época das cavernas, mas agora não faz a menor diferença). Então, que venham os queijos!!! Rumo aos italianos!